"MEMENTO, HOMO, QUIS PULUIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS."


"Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar."


TEMÁTICA

Espaço destinado a apresentação da arte tumular e histórica contidas no Cemitério São Paulo, sem qualquer conotação religiosa doutrinária.

ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de artistas famosos. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história. Este espaço destacará as obras contidas nos cemitério São Paulo, que abrigam uma infinidade de esculturas e obras arquitetônicas, que sem sombras de dúvidas, representam um museu a céu aberto, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério , a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

MÚSICA SITE

6 de dez de 2009

ANTONIO CANTARELLA - Obra: Último Adeus - Arte Tumular - 01 - Cemitério São Paulo, São Paulo






ARTE TUMULAR
Conjunto escultórico , em mármore e bronze. Sobre uma base tumular de mármore negro, com a frase “ÚLTIMO ADEUS” esculpida na base, ergue-se uma escultura em bronze de tamanho natural.
Retrata o delicado e profundo beijo de um casal deitado. O homem apresenta-se nu, com a perna direita totalmente flexionada e a outra estirada, envolve com os seus braços e ao mesmo tempo segura com as duas mãos a cabeça da mulher deitada, coberta apenas com uma fina vestes. Datada da metade da segunda metade do século XX, trata-se de uma obra em que por meio dessa expressão de carinho, materialização da intimidade entre o casal, e do tratamento visivelmente apaixonado da figura masculina com relação à feminina. Pode-se dizer que a essência da escultura traduz o sentido da eternidade de um momento, o amor. A obra trata da relação de oposição entre a vida e a morte, sendo a vida representada pela escultura e a morte, pela laje tumular que a sustenta. O túmulo foi construído como se fosse um altar, pois para se chegar próximo à escultura, deve-se subir três degraus que a cercam. Desse modo, ao subir os degraus, tem-se uma aproximação da vida, representada pela escultura, por sua realidade, sensualidade e o beijo. A figurativização da obra traduz a idéia de transcendência , invocando o sentido de perenidade do sentimento amoroso, a medida em que este ultrapassa a transitoriedade da vida. O interessante é que ao distanciar-se, descendo os degraus, mantendo-se o plano do solo, parece que se desce do céu, do absoluto e aproxima-se da terra, do efêmero e, portanto da morte. `´E o que o artista quis transmitir nesse magnífico trabalho.
TÍTULO DA OBRA: Último Adeus
AUTOR
Alfredo Oliani (São Paulo, 1906-São Paulo ,1988), filho de italianos, nascido em São Paulo, em 1906, e aqui falecido em 1988, tinha como características de suas obras, várias das quais localizadas ali no Cemitério São Paulo, a sensualidade e a beleza femininas e o nu, como neste conjunto do sepulcro dos Cantarella. Estudara aqui mesmo, na Academia de Belas-Artes de São Paulo, com Nicola Rollo, que também deixou nos cemitérios paulistanos obras emblemáticas, como Orfeu e Eurídice, no Cemitério da Consolação, a celebração da imortalidade do amor do casal mítico.Foi aluno, ainda, de Amadeu Zani, autor do Monumento á Fundação de São Paulo, no Pátio do Colégio, e do conjunto escultórico em memória de Giuseppe Verdi, no Vale do Anhangabaú. Na Itália, na Academia de Belas-Artes de Florença, estudou com Giuseppe Grazziosi, fotógrafo, pintor e escultor, que recebera influencias de Rodin..
LOCAL:  Quadra 4, Terrenos 1 e 3, a direita de quem entra pelo portão principal. Ver no mapa corresponde a letra "C" em amarelo.
Fonte: Denise Crispim de Souza e José de Souza Martins
Fotos: Wikipédia e Debora Atuy
Formatação, pesquisa e descrição tumular:Helio Rubiales
LOCALIZAÇÃO


PERSONAGEM
Antonio Cantarella

Nenhum comentário: